top of page

A doença renal no mundo e os vários Brasis



Nas últimas duas décadas, o Brasil viu o número de pessoas com doença renal crônica triplicar.


Hoje quase 150 mil cidadãos fazem diálise no país e estima-se que pelo menos 25 mil deles morram por ano em decorrência da doença. As alarmantes estatísticas brasileiras não destoam do resto do mundo. Calcula-se que 850 milhões de pessoas em todo o planeta são acometidas de algum comprometimento renal — são 2,4 milhões de óbitos por ano, o que coloca a doença renal como a 11ª causa de morte global.



Como a prevalência da doença renal está aumentando drasticamente, o custo de tratamento dessa epidemia crescente representa enorme carga nos sistemas de saúde de todo o mundo. Na Inglaterra, o valor desembolsado no tratamento da condição já supera o custo dos cânceres de mama, pulmão, cólon e pele juntos. Na Austrália, o custo de tratar todos os casos atuais e novos está estimado em 12 bilhões de dólares. Nos Estados Unidos, por sua vez, a despesa com o tratamento deve exceder 48 bilhões de dólares por ano.


Os nefrologistas alertam que a melhor estratégia para redução de custos e danos aos pacientes é a prevenção. Os países precisam investir mais nesse aspecto e tornar o rastreio de doenças renais um cuidado primário com a saúde, incluindo acesso a exames de sangue (creatinina) e urina (EAS). O diagnóstico e o tratamento precoces podem evitar ou retardar que as doenças renais evoluam para estágios mais graves, que necessitam de diálise ou transplante.




“Falamos de uma doença que, a rigor, não tem cura, o que faz que os pacientes necessitem de cuidados pela vida toda. Embora a qualidade do tratamento tenha avançado muito nos últimos anos, uma diálise individualizada e de qualidade ainda não é acessível a todos aqueles que precisam, assim como nem todos conseguem usufruir de um transplante de rim”, destaca o médico nefrologista e diretor da ABCDT, André Pimentel.


Há um ano a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) incorporou ao seu rol de procedimentos obrigatórios de cobertura de planos de saúde a hemodiafiltração online de alto volume. Estudos internacionais e nacionais já comprovaram que esta é a terapia que mais se aproxima do funcionamento de um rim saudável.


O número de pacientes com acesso ao tratamento inovador dobrou em um ano. A hemodiafiltração online de alto volume passou a ser utilizada por cerca de 4.100 pessoas no Brasil; antes da decisão da ANS, eram 1.796. São inúmeros os relatos de aumento de bem-estar e disposição no dia a dia por pacientes que experimentaram a terapia. É o caso de Ednaldo Silva, que faz hemodiálise há seis anos e há um ano iniciou o tratamento de hemodiafiltração: “Saio melhor, passo bem em casa, não sinto mais dor no corpo, não tenho câimbra. É uma melhora muito grande na vida da gente”.


Mas é importante fazer a conta. Hoje, menos de 3% dos pacientes renais brasileiros têm acesso à melhor terapia disponível. A desigualdade econômica e social do país também se reflete na diálise. Enquanto há países como o Reino Unido, que recomendam a hemodiafiltração como terapia renal preferencial, ou a Europa que atende mais de cem mil pacientes nessa modalidade, o Brasil ainda nega a seus pacientes do Sistema Único de Saúde o acesso à inovação, tecnologia e bem-estar. Há o Brasil da tecnologia e inovação em diálise (3%) e o que lida com a mais grave crise do setor (90%).

No país, 90% dos pacientes renais que fazem diálise tratam em clínicas privadas conveniadas ao SUS. A defasagem do que o Governo Federal paga para o tratamento e o quanto ele efetivamente custa às clínicas está em mais de 32,7%. Se a conta não fecha, as clínicas fecham. Levantamento feito pela ABCDT apontou quase 40 clínicas de diálise que encerraram as atividades. Outras tantas deixaram de atender pacientes do SUS.

Comments


bottom of page